Transporte de cadeirantes
Transporte de cadeirantes
22 de julho de 2020
Cuidador de idosos em domicílio
Qual a vantagem de um cuidador de idosos em domicílio
23 de julho de 2020
Exibir tudo

Alimentação do idoso

Alimentação do idoso

Alimentação do idoso é tópico obrigatório para um cuidador. Conheça sugestões de cardápio, alimentação para idosos acamados e outros temas relacionados à alimentação de idosos.

A alimentação constitui uma das necessidades básicas para a manutenção da vida. Com a inabilidade de realizar essa função tão indispensável para a humanidade, o cuidador, mais uma vez, se torna indispensável.

Leia também:

Boa alimentação é a chave para combate a doenças

Imunidade do idoso: como aumentar

O que é mais importante no cuidado a idosos?

Detalhes legais sobre a contratação de uma empresa para prestação de serviço de cuidadores profissionais

Cuidado da alimentação do idoso

Uma alimentação equilibrada pode prevenir e controlar várias doenças e, por isso, é uma das funções do cuidador servir e preparar os alimentos para o seu assistido. Podemos dizer, então, que esse profissional tem uma responsabilidade grande na manutenção da saúde de quem ele cuida.

Cronograma alimentar do idoso

Primeiramente devemos nos informar sobre o hábito alimentar de quem cuidamos e sobre preferências, intolerâncias, alergias e recomendações de profissionais de saúde. Os problemas de saúde também devem ser averiguados, pois algumas doenças são diretamente influenciadas pela alimentação, como diabetes, hipertensão, obesidade, intolerância ao glúten ou à lactose, etc.

As quantidades, os horários e a frequência das refeições também são fundamentais para verificarmos se os hábitos alimentares estão de acordo com o quadro de saúde que o assistido apresenta.

Alimentação para idosos

Uma alimentação saudável requer de 5 a 6 refeições diárias, entre refeições principais e lanches. A alimentação fracionada ativa o metabolismo e ajuda a equilibrar a fome e os excessos alimentares. Todos os grupos de alimentos são importantes para a nutrição: proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas, sais minerais e fibras.

O que pode variar na refeição é a composição de cada um deles. Todos esses nutrientes estão disponíveis na alimentação se escolhermos e consumirmos de forma variada vegetais (verduras, frutas, legumes e leguminosas), carnes (gado, aves, peixes e porco), ovos, leite e derivados (queijos, iogurtes, coalhadas) e carboidratos (pães, cereais, arroz, batata-inglesa, batata-doce, batata-baroa, inhame, cará, milho, mandioca, macarrão).

De modo geral, os profissionais de saúde e a família já fornecem as informações precisas sobre os hábitos, recomendações e contraindicações alimentares. O uso de temperos de costume e os hábitos regionais também devem ser respeitados no momento de preparar as refeições do assistido.

Importância da hidratação

O consumo de água também deve ser avaliado em volume e frequência para promover a regulagem das funções do organismo. Mais detalhes em um artigo que fizemos especificamente sobre o tema: clique aqui.

Rotina alimentar

Primeiramente, deve-se planejar a rotina alimentar dentro das demais atividades do dia, ou seja, preparar e servir as refeições são uma das várias e importantes atividades diárias do nosso assistido. Como o preparo demanda um tempo considerável de dedicação, algumas estratégias podem otimizar o período de preparo das refeições:

  • O armazenamento de alimentos pré-cozidos, higienizados e até cortados, quando for possível, ajuda muito quando se tem um tempo limitado para o preparo das refeições;
  • Ter várias opções de cardápio, respeitando os hábitos saudáveis e a oferta de alimentos na residência;
  • Aproveitar o tempo de cozimento dos alimentos para desenvolver outra atividade da rotina, como administrar o medicamento, acomodar o assistido na poltrona para aguardar a refeição ou aferir os sinais vitais;
  • Optar por receitas práticas e saudáveis que não exijam muito tempo de preparo.

Higiene alimentar

É fundamental higienizar bem os alimentos e utensílios que são utilizados no preparo das refeições para evitar contaminação e prejuízos à saúde.

Vegetais que forem consumidos crus devem ficar submersos em solução de água (um litro) e cloro (uma colher de sopa de água sanitária) por 10 minutos e, posteriormente, enxaguados em água corrente.

Os responsáveis pelo manuseio e preparo dos alimentos também devem ter atenção à higiene corporal adequada, como:

  • Lavar as mãos sempre que necessário;
  • Manter unhas limpas e aparadas;
  • Usar cabelos presos e preferencialmente com redes;
  • Usar vestimenta limpa;
  • Retirar acessórios como anéis e relógios;
  • Não conversar ao preparar ou servir os alimentos;
  • Conservar lixo em recipientes com tampa e que tenham pedal (evitar lixeiras sobre as pias!);
  • Dar preferência a materiais de fácil higienização e que não acumulem resíduos (evitar utensílios de madeira);
  • Lavar esponjas e panos com água sanitária ao final do dia de uso e deixá-los secar.

Mais informações em nosso artigo sobre a segurança alimentar do idoso.

Preparo de alimentos

  • Devemos considerar o uso moderado de sal, açúcar, gordura e alimentos industrializados, que cai bem para todas as pessoas.
  • Quanto ao preparo de carnes, prefira pratos cozidos e grelhados sem adição de gordura.
  • Os temperos naturais como alho, cebola, limão, cheiro verde, ervas e azeite não aquecido são bem apreciados e mais saudáveis do que sal em excesso ou molhos gordurosos e industrializados.
  • Alimentos integrais devem ter prioridade de escolha entre os carboidratos.

Servir a refeição

  • Monte pratos atrativos, coloridos e com todos os grupos de alimentos necessários (exemplo: arroz, feijão, carne grelhada, legumes cozidos, salada de folhas, tomate e pepino).
  • Fique atento para a temperatura da refeição e teste antes de oferecer ao assistido.
  • Evite servir sopas em todas as refeições. Alimentos pastosos e leves caem bem no jantar ou para pessoas que têm dificuldade de deglutição. Nesse caso, varie os temperos, carnes e legumes para mudar o sabor da sopa.
  • Obedeça aos horários para as refeições principais e ofereça pequenos lanches entre refeições, de preferência de 3 em 3 horas.
  • Intercale as refeições principais com frutas;
  • Ofereça água nos intervalos das refeições;
  • Prepare o local e acomode bem o assistido para lhe oferecer a refeição. O posicionamento deve ser semi-sentado ou sentado. Evite servir a dieta com o assistido deitado;
  • Evite locais com barulho, televisão ou rádio ligados;
  • Sirva a comida devagar, respeitando o tempo de mastigação e deglutição do assistido;
  • Corte bem os alimentos antes de oferecê-los ao assistido para evitar engasgos. Em caso de engasgos, reduza o volume de comida a cada oferta.

Uso de sonda para alimentação

Existem três tipos de sondas destinadas a alimentação: nasogástricas (SNG), inseridas pelo nariz até o estômago; nasoentéricas (SNE), que partem do nariz e vão até a porção inicial do intestino; gastrostomia (GTT), que são inseridas através de abertura na parte superior do abdômen até o estômago.

As SNG e SNE devem ser colocadas e retiradas por enfermeiros dentro de unidades de saúde. A GTT é inserida por procedimento cirúrgico. Todas se destinam a alimentação e podem também serem usadas para administração de medicamentos.

Essas sondas são usadas em pessoas que são impossibilitadas de se alimentarem pela boca, como incapacidade para deglutição em idosos com demências avançadas, tumores na região oral ou garganta, procedimentos cirúrgicos que inviabilizam a dieta oral, dentre outros.

Os cuidados a serem mantidos para sondas inseridas pelo nariz são higiene rigorosa, observação da presença de feridas, que devem ser comunicadas à equipe de saúde, e administração correta da dieta. Deve-se ter bastante rigor com a higiene ao se manipular o dispositivo para evitar contaminações no sistema.

Para aquela inserida no abdome, a limpeza no orifício onde entra a sonda é fundamental. É importante prestar atenção a sinais de infecção como vermelhidão, feridas e produção de secreções pelo estoma para relatar à equipe de saúde.

As dietas que são administradas por sonda são geralmente industrializadas ou seguem um preparo caseiro prescrito pelo nutricionista. Todos os cuidados para o preparo e administração devem ser seguidos a risca (cuidados de higiene alimentar descritos acima).

Os alimentos, quando preparados em casa, devem ser batidos em liquidificador e peneirados para serem administrados. A dieta pode ser administrada por seringa ou via equipo suspenso por suporte.

A seringa pode ser reutilizada desde que seja bem higienizada antes e após o uso, com água e detergente.

A dieta deve estar em temperatura ambiente ao ser administrada. Deve-se injetar cerca de 20 ml de água filtrada na sonda para limpá-la após o término da administração da dieta. A higiene oral deve ser realizada mesmo que a cavidade oral não seja utilizada para ingestão de alimentos. Passar uma gaze com água nos lábios do assistido algumas vezes ao dia para aliviar a sensação de boca seca e evitar rachaduras também é um cuidado importante.

É importante lembrar,  que:

  • O cuidador precisa servir uma dieta variada ao seu assistido caso não tenha muita opções de alimentos disponíveis, pois faz parte de suas atribuições preparar a refeição.
  • Caso o assistido não tenha o seu cardápio por escrito, o cuidador pode preparar o prato do assistido conforme seus próprios hábitos e costumes alimentares.
  • O cuidador não pode oferecer todos os tipos de alimentos disponíveis na residência ao assistido, sem se informar sobre possíveis alergias, intolerâncias ou contra indicações médicas.
  • É preciso lavar as mãos antes de administrar dieta por sonda, pois não há contato com a alimentação que fluirá do frasco ou seringa para o equipo e/ou sonda.

Nutrição do idoso

O vídeo a seguir trata da importância da nutrição para idosos, de forma complementar ao já exposto. Recomendamos para familiares e cuidadores.

Dicas para diminuir a exposição a toxinas na alimentação

  • Prefira o consumo de alimentos orgânicos, principalmente pimentão, morango, uva, alface, cenoura, tomate;
  • Reduza a exposição aos metais tóxicos (panelas de alumínio, peixes grandes de água doce);
  • Reduzir a ingestão de alimentos industrializados e seus aditivos químicos: acidulantes,corantes, estabilizantes, sequestradores, conservantes, edulcorantes, aromatizantes, gordura trans, pele de frango, fígado, cafeína, bromato, etanol, nitrato;
  • Reduza o consumo dos seguintes medicamentos: antiácidos, efedrina e derivados anfetamínicos;
  • Beba de 8 a 12 copos de água diários;
  • Transpire regularmente (exercícios físicos e saunas sem produtos químicos – essência de eucalipto);
  • Pratique Yoga e/ou Meditação de 1 a 2 vezes por semana;
  • Faça drenagem linfática manual para melhorar a fluidez dos vasos linfáticos e ajudar na eliminação das toxinas para a circulação para serem destoxificadas;
  • Reduza o uso de produtos pessoais que contém alumínio (desodorantes muito duradouros);
  • Retire os alimentos de suas embalagens plásticas. Procure transferi-los para embalagens de vidro, cerâmica, papel;
  • Não cubra alimentos no forno com papel alumínio. Utilize o papel manteiga;
  • Não aqueça alimentos ou os coloquem depois de aquecidos em conteúdos plásticos ou metálicos;
  • Não ingira creme dental e higienizadores bucais;
  • Tenha plantas em casa, pois estas ajudam a filtrar o ar;
  • Minimize a radiação eletromagnética de rádios, TVs e microondas;
  • Beba água filtrada – carvão ativado (evite água mineral em embalagens plásticas);

A máxima “você é o que você come e o que você faz” nunca foi tão assertiva. Uma alimentação saudável é essencial para quem deseja envelhecer e viver com qualidade, por isso, OLHO NA MESA e OLHO NOS HÁBITOS.

Editorial Acvida
Editorial Acvida
O Editorial da Acvida Cuidadores é feito por nossa equipe de conteúdo, que inclui especialistas em cuidados paliativos, em administração de equipes de cuidadores e jornalistas. Seu objetivo é trazer informações relevantes a todos os envolvidos no trato das pessoas incapacitadas de realizar o autocuidado. Reuniremos artigos médicos e científicos, publicações jornalísticas relevantes, recomendações e entrevistas com especialistas, relatos de pessoas que passaram pela experiência de cuidar de um ente querido, enfim, tudo o que possa ajudar nossos leitores a trazer qualidade de vida para idosos, familiares e cuidadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *