Estimulação cognitiva para idosos
Estimulação cognitiva para idosos
15 de junho de 2020
Uripen
Uripen
17 de junho de 2020
Exibir tudo

Sono em idosos

Sono em idosos

O sono em idosos tende a ser de menor qualidade e de duração mais curta à medida que a idade avança. Um idoso agitado pode ser consequência de distúrbios no sono. Entenda o que o cuidador precisa conhecer.

Leia também:

O que é mais importante no cuidado a idosos?

Envelhecimento saudável

O que é mais importante no cuidado a idosos?

5 hábitos essenciais para manter os idosos saudáveis

O sono é uma das necessidades fisiológicas mais importantes para a regulação do corpo, pois influencia diretamente na qualidade do dia. As necessidades de horas de sono variam com o avançar da idade. Crianças dormem mais horas que adultos. Idosos podem apresentar redução das horas ou fragmentação do sono. Em média, adultos precisam de oito horas de sono noturno.

Qualidade do sono

Para avaliação da qualidade do sono em idosos, devemos estar atentos ao padrão de suas fases e não apenas às queixas ou observações, avaliando os horários em que o assistido se deita e se desperta, quando realmente começa a dormir, a duração e as interrupções do sono.

Geralmente, a qualidade do período de vigília impacta no padrão de sono e vice versa. O ideal é que durante o dia estejamos propensos a estímulos e atividades que demandam gasto energético. À noite, o ritmo deve ser desacelerado e o ambiente preparado para proporcionar tranquilidade e relaxamento.

Uma rotina de vigília regrada, com horários definidos para todas as atividades diárias (refeições, higiene, medicamentos, lazer, exercícios), inclusive uma pequena sesta, mantém ativo o ritmo corporal e cerebral. É indicado evitar rotinas muito flexíveis ou deixar que o assistido durma ou acorde muito tarde e que faça sestas muito longas.

Necessidade do sono em idosos

À medida que anoitece, a agitação vai se abrandando e a luz e os sons ficam mais suaves. A alimentação deve ser mais leve em calorias e volume, e não deve ser servida muito próxima ao horário de dormir. Os líquidos também podem ser reduzidos à noite para evitar a necessidade de acordar para urinar. 

A avaliação da necessidade do uso de medicamentos para dormir, bem como sua prescrição, interrupção, aumento e diminuição da dose, são responsabilidades apenas do médico.

Avaliando o padrão do sono do idoso

Para dar informações sobre o padrão de sono do assistido com mais segurança à família ou ao médico, é importante registrar:

  • Horário de adormecer: se antes das 19h00, entre 20h00 e 23h00, após as 00h00;
  • Duração do sono: menos de 5 horas, de 6 a 8 horas, além de 9 horas;
  • Fatos que interrompem do sono: micção, dor, desconforto, agitação, estresse, frio, calor;
  • Tempo insone: menos de 30 minutos, até 1 hora, mais de 1 hora;
  • Horário de despertar: antes de 6h00, entre 6h00 e 7h00, entre 7h00 e 8h00, após 9h00;
  • Tempo de sesta: até 30 minutos, até uma hora, até 1h30min, mais de 2 horas;
  • Comportamento diário: alerta, agitado, tranquilo ou sonolento;
  • Mobilidade: deambulante, assentado, cadeirante ou acamado;
  • Dependência nas atividades diárias: independente, parcialmente dependente ou dependente;
  • Atividades realizadas: rotina diária, caminhada leve, moderada ou intensa.

Para melhorar o sono em idosos

  • O horário de dormir pede tranquilidade, portanto, é importante reduzir a intensidade das atividades diárias e compromissos quando a hora do sono se aproxima.
  • O controle da alimentação e dos líquidos deve seguir o bom senso. O recomendável é ingerir alimentos leves e líquidos ao menos duas horas antes de se deitar.
  • Respeitar e programar a rotina noturna com base nos rituais de costume do assistido, que podem incluir banho, higiene oral, leitura, orações, etc.
  • Estimular a escolha de vestuário adequado para dormir, que seja confortável e coerente com o clima.
  • Proporcionar ambiente seguro, confortável, com roupas de cama adequadas à temperatura, sem ruídos e com baixa luminosidade.

O que evitar para melhorar o sono em idosos

  • Estímulos (barulho, iluminação, televisão e rádio);
  • Alimentação pesada, líquidos e estimulantes (café, refrigerantes, chocolate) muito próximo ao horário de deitar-se;
  • Vestuário apertado, inadequado ao clima, fraldas úmidas;
  • Ambiente: muito frio (ar condicionado, ausência de cobertores) ou muito quente (janelas fechadas, cobertores grossos)

As orientações deste artigo são feitas em caráter geral e não substituem uma avaliação personalizada por um profissional de saúde.

Um cuidador pode ajudar pessoas da terceira idade a dormir e descansar melhor. A Acvida Cuidadores pode ajudar com isso, clique aqui. Conheça também a Associação Brasileira dos Empregadores de Cuidadores de Idosos aqui.

Camila Izabela de Oliveira
Camila Izabela de Oliveira
Formada em Enfermagem e Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília (UnB), tem diversos cursos de especialização em atenção primária e gerontologia. O foco de seu trabalho é na qualidade dos cuidados paliativos e na formação de profissionais cuidadores. Criou um dos primeiros cursos de formação de cuidadores do Brasil com mais de 100 horas/aula, sendo destas mais de 40 ofertadas em estágio supervisionado ou aulas práticas. Também é enfermeira titular da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF), onde desenvolve atividades de acompanhamento e suporte à famílias com crianças especiais.

1 Comment

  1. Marcia Oliveira da Silva Vieira disse:

    Estou gostando dos ensinamentos recebidos pela empresa. Eles tem ótimos profissionais da saúde que nos ensina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preciso de um Cuidador