Síndrome do pôr do sol
Síndrome do pôr do sol
13 de maio de 2020
Senescência e senilidade
Senescência e senilidade
15 de maio de 2020
Exibir tudo

Demência no idoso: quais as origens do problema?

Demência no idoso

O principal sintoma da demência no idoso é a falha da memória, embora outros sinais possam aparecer. Quais são as origens possíveis para este problema que torna tantos idosos dependentes?

Leia também:

O perigo da broncoaspiração em idosos: 5 dicas para evitar

Quando procurar um geriatra? Qual a idade certa para a primeira consulta?

Arquitetura para idosos: não compre, construa ou reforme um imóvel antes de ler

Sintomas de demência no idoso

Demência é um termo usado para uma série de manifestações que ocorrem em um indivíduo por causa da degradação cerebral. A principal manifestação é a falha de memória.

Outras características podem aparecer com o avançar da demência no idoso, como mudança no comportamento e na personalidade, além da perda da capacidade de realizar as atividades de vida diária.

As características dos pacientes com demência no Mal de Alzheimer

Surge a desorientação de espaço e tempo (não saber onde está e qual o dia, mês ou ano), a dificuldade para desenvolver tarefas do dia a dia e os transtornos de humor e ansiedade. No terceiro estágio, o quadro de desorientação e agitação se agravam, comprometendo o reconhecimento de familiares e gerando comportamento inapropriado, alucinações e perambulações.

No quarto estágio, a dependência total se instala, há prejuízos severos na comunicação e há perda no controle de esfíncteres, deixando a pessoa incontinente (fecal e urinária) e com dificuldade para engolir alimentos e líquidos.

Demência Vascular

O comprometimento cerebral decorrente de acidente vascular cerebral (derrame) é chamado de Demência Vascular. O derrame pode ser ocasionado por tromboses, hemorragias e pressão arterial descompensada.

Todos esses problemas podem levar a uma interrupção do suprimento sanguíneo a uma determinada região cerebral, causando a morte do tecido e, consequentemente, uma perda de função das capacidades inerentes àquela região que foi acometida. Nem todos os derrames cerebrais causam demência.

Parkinson causa demência no idoso?

A doença de Parkinson também pode levar à demência. É uma doença progressiva e degenerativa com prejuízos que se refletem na atenção, memória, cognição, função motora (tremores) e linguagem, levando a alterações de comportamento, depressão e alucinações.

As principais características iniciais acometem o sistema motor por lentidão de movimentos, rigidez muscular e tremores. A demência não é uma regra para todos os doentes de Parkinson, mas pode ser uma manifestação do avançar da doença e, em alguns casos, pode haver coexistência da doença de Alzheimer.

Traumatismos cranianos

Os traumatismos podem levar à incapacidade para o autocuidado e atividades diárias importantes, podendo ocasionar sintomas de demência no idoso, dependendo da gravidade da lesão e do local acometido.

Os traumatismos podem ser provocados por acidentes no trânsito, quedas da própria altura ou de locais mais altos, lesões por objetos cortantes ou armas, queimaduras e outras situações. Traumatismos cranianos podem provocar lesões irreversíveis e incapacitantes se causarem dano cerebral importante.


É importante citar que a demência no idoso pode ser multifatorial, ou seja, ser causada por dois ou mais fatores em conjunto. Isto dificulta o diagnóstico e tratamento, e reforça a importância do acompanhamento por um especialista.

Leia ainda:

Idoso agressivo: 10 formas de lidar com a agressividade no Alzheimer

Casas de Repouso para idosos: 5 passos para escolher a Casa de Repouso ideal para a terceira idade

Conheça a ABECI (Associação Brasileira dos Empregadores de Cuidadores de Idosos)

Camila Izabela de Oliveira
Camila Izabela de Oliveira
Formada em Enfermagem e Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília (UnB), tem diversos cursos de especialização em atenção primária e gerontologia. O foco de seu trabalho é na qualidade dos cuidados paliativos e na formação de profissionais cuidadores. Criou um dos primeiros cursos de formação de cuidadores do Brasil com mais de 100 horas/aula, sendo destas mais de 40 ofertadas em estágio supervisionado ou aulas práticas. Também é enfermeira titular da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF), onde desenvolve atividades de acompanhamento e suporte à famílias com crianças especiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preciso de um Cuidador