Dicas para cuidadores e familiares lidarem com a obesidade em idosos

A vida moderna traz fatores que contribuem para a obesidade em idosos, especialmente a alimentação inadequada e o sedentarismo.  A obesidade é caracterizada pelo acúmulo de gordura corporal num nível que compromete a saúde do indivíduo.

É uma doença crônica que ocorre quando a quantidade de energia ingerida é maior que o gasto energético. Simples de entender as causas, nem sempre simples de evitar e tratar. Confira mais no artigo de hoje.

Obesidade idosos: causas

Além do próprio processo de envelhecimento, em que o metabolismo naturalmente diminui favorecendo o acúmulo de gordura corporal, o estilo de vida contribui para o aumento da obesidade em idosos. O sedentarismo (falta de atividade física) e dietas inadequadas são as principais causas do problema.

A dificuldade de mastigação e os distúrbios gastrointestinais também são fatores importantes que favorecem a preferência por alimentos processados, ricos em carboidratos e de rápida digestão, que contribuem para o ganho de peso.

Tratamento da obesidade em idosos

Do ponto de vista do cuidado a idosos dependentes, a família e os cuidadores são os responsáveis por garantir a manutenção das atividades de vida diárias e a oferta de alimentos saudáveis.

Acontece, muitas vezes, que os hábitos ruins das famílias se combinam à falta de iniciativa do cuidador, e isso acaba por criar um círculo inadequado em torno do idoso; um círculo conveniente para quem cuida, mas incapaz de atender de forma saudável quem é cuidado.

Um cuidador preguiçoso, muito provavelmente, tornará seu idoso preguiçoso e mais susceptível a estar acima do peso.

Adriano Machado, fundador da Acvida Cuidadores

A prática de atividade física supervisionada e uma dieta saudável são hábitos eficazes para se prevenir o ganho excessivo de peso e conquistar um envelhecimento saudável e com qualidade de vida. E se engana quem pensa que apenas idosos com excelentes condições físicas podem se exercitar.

Recentemente, fizemos uma postagem sobre como a jardinagem pode ser uma atividade gratificante e fisicamente interessante para idosos, mesmo os dependentes. Vale a pena a leitura. Na mesma linha, confira algumas atividades para manter os idosos ativos e sem tédio.

É possível emagrecer o idoso?

É sabido que bons hábitos ao longo da vida interferem significativamente no processo de envelhecimento, e idealmente devem ser cultivados desde a infância. Mas nem sempre isso acontece. Não fique ansioso se não conseguiu perder peso ou controlar as doenças associadas à obesidade anteriormente: nunca é tarde para começar a colher os frutos dos bons hábitos.

Trazemos como exemplo uma senhora de 95 anos, Dona Diná (nome fictício). Ficando acamada a maior parte do tempo, com excesso de peso (beirando a obesidade) e com o hábito ruim de consumir Coca-Cola o dia inteiro, passava a maior parte de suas noites acordada e os dias sonolenta.

A retirada do refrigerante chegou a deixá-la ansiosa e até com tremores nas mãos (a cafeína, assim como o açúcar e as gorduras, vicia). Face às dificuldades, a família (por anos) não conseguiu uma mudança efetiva de hábitos.

Mas com muita atenção, empenho das cuidadoras na alimentação prescrita por nutricionistas, e acompanhamento médico, a Coca-Cola ficou no passado. E com ela, o excesso de peso, os roncos, a glicemia elevada, e as noites de sono em claro.

Consequências da obesidade em idosos

As principais consequências da obesidade em idosos incluem dificuldades respiratórias (como a apneia do sono), osteoporose, risco aumentado de AVC (Acidente Vascular Cerebral ou derrame), problemas cardiovasculares, diabetes e hipertensão.

De forma geral, a obesidade em idosos acaba diminuindo o desempenho físico, causando instabilidade postural, dores nas articulações, acelera o processo do envelhecimento, dentre outros problemas graves.